Não há como não falar em filmes clássico e não tratar de “Tempos Modernos” do Grandioso Charles Chaplin. Lançado em 1936, nos Estados Unidos, produzido por Patricius Santans e dirigido por Charles Chaplin, que também é responsável pelo roteiro, traz novamente o personagem ícone – Carlitos, para protagonizar a história do desenvolvimento tecnológico, de forma irônica, densa e ao mesmo tempo, altamente poética. Ou seja, um clássico dos clássicos.

O filme traz no elenco Charles Chaplin, Paulette Goddard, Henry Bergman, Stanley Sandford, Chester Conklin. Comédia dramática, o filme aponta para uma crítica social direta, traz a mensagem de que a industrialização trouxe diversas consequências negativas para o mundo, e em especial para o homem simples, que passa a ser explorado pelos donos das fábricas. O filme levou três anos para ser produzido e finalizado.

Embora tenha sido altamente aclamado pela crítica e pelo público, e considerado um clássico do cinema por cinéfilos do mundo inteiro, “Tempos Modernos” não recebeu uma única indicação para o Oscar. Os especialistas afirmam que isto se deve ao fato de que Chapin fez duríssimas críticas ao estilo americano de viver. Chaplin não era uma das pessoas mais fáceis de se conviver, dizia tudo o que lhe vinha à cabeça e costumava desdenhar daqueles que diziam deter o poder em suas mãos. Chegou mesmo a declarar que se caso ganhasse uma estatueta, colocaria-a em sua porta de entrada para ser usada como uma maçaneta.

O enredo do filme conta a história de Carlitos, um homem que trabalha diariamente numa fábrica, e lá com o trabalho repetitivo e em excesso acaba tendo um colapso nervoso e é afastado do serviço. É levado ao hospital, e quando sai de lá e retorna ao trabalho, vê a fábrica ser fechada por conta de uma crise econômica.

Num segundo plano, acontece a história de uma órfã, que passa a realizar pequenos furtos para poder se alimentar. E após a morte do pai, policiais tentam prendê-la para leva-la para a adoção, mas a jovem acaba fugindo.

Os dois acabam se metendo em outras confusões e graças a estas, também vão ter os seus caminhos cruzados.  A amizade surge entre eles e os dois vão murar juntos em uma casa abandonada; Carlitos, depois de certo tempo, encontra uma nova oportunidade na fábrica, quando esta reabre.

Entretanto, sem querer ele vai se meter em uma nova confusão, quando os operários entram novamente em greve, pois atira uma pedra sem querer na cabeça de um policial. Por outro lado, sua companheira consegue um trabalho com dançarina, que também não dá certo.

Os dois terminam o filme seguindo em uma estrada sem fim.

Em preto e branco, com algumas inserções de falas, uma obra-prima.